Novela Escrita | O Preço da Verdade - Último Capítulo


CENA 1 - INT. / CENTRO MÉDICO UNIDOS PELA VIDA/RECEPÇÃO - NOITE.

LUÍZA aparece para EDGAR que aponta a arma para ela.

LUÍZA: O que você pensa que está fazendo?

EDGAR: Que bom que você chegou para a festa! 

LUÍZA: O que você vai ganhar com isso tudo? Você já tinha o dinheiro, porque simplesmente não foi embora?

EDGAR: Ir embora? Como eu poderia ir embora sabendo que o meu sonho foi roubado por quem eu dei a minha vida? Todo o meu esforço foi em vão todos esses anos.

VINICIUS: Você matou meu pai! Como você pode se achar uma vítima? Você é louco!

EDGAR: O seu pai mereceu o fim que teve. Desde pequeno ele se achava superior. Quando nasceu, eu fui deixado de lado e as atenções foram voltadas ao garoto prodígio. Ele era um amor de criança, eu sempre o rebelde. A gente foi crescendo e todo meu esforço foi em vão. Me tornei médico, mas ainda assim ele era um profissional melhor que eu. O motivo? Meus pais simplesmente não gostavam de mim. Eles morreram sem eu entender o motivo de tanto ódio contra um filho. Então, o que aconteceu? - grita - Você sabe o que aconteceu?

VINICIUS: Não, eu não sei! O que aconteceu? Porque até agora nada justifica você ter se tornado um assassino. Um ladrão. Talvez os seus pais soubessem quem você realmente era.

EDGAR (demonstrando raiva e dor): Não! Até então a única coisa que eu esperava, era não depender mais do dinheiro deles e ser independente fazendo o que eu amava bem longe dessa cidade. Na faculdade eu encontrei Luíza, uma garota incrível e que me fez esquecer todo o inferno que eu vivia dentro da minha própria casa, mas adivinha o que aconteceu? O seu pai percebeu como eu estava feliz e resolveu partir pra cima. O seu pai nunca aceitou o fato de eu ser muito melhor que ele em todos os aspectos. 

LUÍZA: Você colocou o meu nome de Luíza por conta de uma mulher que conheceu na faculdade? Você colocou o meu nome por conta de uma paixão de adolescente?

EDGAR (demonstrando raiva e dor): Não, eu coloquei o seu nome de Luíza porque eu esperava que você fosse uma mulher incrível como ela foi. 

Corta para:

CENA 2 - INT. / CENTRO MÉDICO UNIDOS PELA VIDA/CORREDORES - NOITE.

LEONORA consegue entrar no hospital e passa pelos corredores onde as pessoas não escondem o medo. De longe ela vê a recepção. Ela segura a arma mais forte e vai fazendo sinal para que as pessoas não falem nada. Corta para:

CENA 3 - EXT. / FRENTE DO CENTRO MÉDICO UNIDOS PELA VIDA - NOITE. 

DEBORA e MADALENA chegam na frente do hospital e vão direto falar com os policiais.

DEBORA (nervosa): Vocês já sabem o que vão fazer para entrarem sem que ninguém se machuque? 

POLICIAL 1: Nós já tentamos contato com ele, mas parece que ele não quer responder. No momento estamos vendo uma forma de entrar pela pista de voo no último andar. Até então eles estão falando, falando e nada acontece. O bom é que assim ganhamos tempo. Não podemos arriscar a vida das outras pessoas que estão na sala.

DEBORA (nervosa): Mas eles já estão aí a muito tempo! E se ele perder a paciência e fizer alguma besteira? Ninguém sabe do ele é capaz!

POLICIAL 2: Eu peço que a senhora se acalme e nos deixe fazer o nosso serviço. 

POLICIAL 2 faz um gesto para o POLICIAL 1 e ambos saem de perto de DEBORA.

DEBORA (nervosa): Aconteceu alguma coisa!

MADALENA: Calma. Você ouviu o que ele disse? Então... eles sabem lidar com esse tipo de gente!

DEBORA (nervosa): E se acontecer alguma coisa nesse tempo? Olha lá, ele está armado e apontando para a própria filha. Como confiar que ele não vai atirar há qualquer momento?

As duas ficam olhando através da porta de longe. Corta para:

CENA 4 - INT. / CENTRO MÉDICO UNIDOS PELA VIDA/RECEPÇÃO - NOITE.

EDGAR continua com a arma apontada para LUÍZA e VINICIUS.

LUÍZA: Eu não sei como eu pude ser tão cega em relação ao meu próprio pai.

EDGAR (demonstrando raiva e dor): Como você pode ter raiva de mim? Antes de eu matar o seu pai, ele matou a primeira mulher que me fez sentir o que era felicidade. 

VINICIUS: Do que você está falando? 

EDGAR: Eu e ela estávamos em uma festa da faculdade e seu pai estava muito bêbado. De repente, uma amiga dele estava me beijando, tudo para ela ver e brigar comigo. Foi tudo calculado para ela terminar comigo e ficar com muito ódio. Haviam fotos em que eu falava com a garota nos corredores, sendo que eu conversava com ela como uma colega qualquer, sem saber que tudo aquilo já fazia parte do plano, as conversas que ela vinha puxar, tudo... e foi nesse dia que de raiva a Luíza foi puxar papo com ele, sabendo de todas as nossas desavenças. Para me atingir! Eu tentei explicar, falei que era tudo uma armação.

EDGAR começa a se lembrar do dia em que aconteceu. Corta para:

FLASHBACK - CENA 5 - CAMPING/FESTA - NOITE.

AMANDA e FABIO observam LUÍZA saindo e EDGAR indo atrás dela e riem.

AMANDA: Eu falei que ia dar certo, não tinha erro. Agora é com você, Fabio. Se você quer aquela garota, a hora é agora!

FABIO: Você tem certeza? Não é melhor dar espaço?

AMANDA: Espaço? Ela acabou de ser traída, o que ela mais quer é pagar na mesma moeda. E tem coisa melhor que pagar na mesma moeda beijando o irmão do cara que a traiu? 

FABIO vai atrás de LUÍZA ao perceber que EDGAR se desencontrou dela. EDGAR de longe percebe o olhar de AMANDA e vai até ela.

EDGAR (com ódio): Porque você fez isso comigo? Eu não entendo! O fato de você ser amiga do meu irmão nunca me impediu de falar com você e lhe achar uma boa pessoa. Mas eu deveria saber que estava enganado... 

AMANDA (irônica): Eu estou bêbada e confesso que sempre quis lhe beijar. Sabe quando você encontra a oportunidade perfeita? Eu nem sabia que ela estava olhando! 

EDGAR (com ódio): Você para de ser sonsa! O meu irmão nos fotografou nos corredores da faculdade, como se já tivessemos algo antes.

AMANDA (irônica): Fotos? Que fotos? Você ficou louco? Eu nem sei de nada. Agora me dê licensa que eu preciso encontrar meus amigos. Infelizmente você é um daqueles casos em que a gente bota tanta expectativa, mas que quando acontece, vê que não é aquilo tudo. 

EDGAR (com ódio): Não aconteceu nada Amanda. Nada!

AMANDA (irônica): Aqui não aconteceu mesmo, mas lá parece que vai acontecer.

AMANDA aponta para LUÍZA entrando no carro de FABIO. 

EDGAR (ódio): Eu não acredito...

AMANDA sai, EDGAR fecha os punhos com força para tentar controlar a raiva. Corta para:

CENA 6 - EXT. / ESTRADA/CARRO DE FABIO - NOITE.

LUÍZA sentada no carona e FABIO alterado começa a acelerar o carro. 

LUÍZA: Você pode ir um pouco mais devagar?

FABIO: Eu vou te mostrar o quanto a vida pode ser divertida, gatinha. Vou te mostrar que sou muito melhor que o meu irmão! Agora você sabe que ele é um merda. Aquele lá só envergonha a família.

LUÍZA: Eu agradeço você querer me ajudar, mas você bebeu, melhor ir mais devagar...

FABIO continua acelerando e coloca a mão nas pernas de LUÍZA. LUÍZA tira as mãos de FABIO que fica irritado.

FABIO (irritado): Vai dizer que você não aceitou minha carona para isso? Já pensou que vingança magnifica transar com o irmão do cara que te traiu? Vai, você não vai se arrepender...

LUÍZA: Para o carro, eu quero descer!

FABIO (irritado): Ficou louca?

LUÍZA começa a tentar fazer com que ele pare o carro, mas ele acaba perdendo a direção e invadindo a outra pista, neste momento uma caminhonete aparece e acaba atingindo o carro de FABIO. Corta para:

FIM DO FLASHBACK

CENA 7 - INT. / CENTRO MÉDICO UNIDOS PELA VIDA/RECEPÇÃO - NOITE.

EDGAR (chorando): Ela não sobreviveu ao acidente na volta para a casa. E quem foi considerado culpado pelo próprio, fui eu. Seu pai disse para todo mundo que se eu não houvesse traído ela, ela estaria viva. 

VINICIUS (abalado): Se tudo o que você me falou é verdade, nada justifica você ter se tornado até pior que ele.

EDGAR (grita): O que você perdeu? O que você perdeu nessa sua vida? Você nunca precisou ralar. Você nunca teve o dedo apontado para a sua cara. E depois do acidente, meu pai comprou esse hospital que estava desativado e seu pai o construiu. Contruiu em cima da minha desgraça, porque eles ficaram com pena do seu pai que tinha perdido o grande amor da vida dele. Você entende isso? Não, você nunca vai entender o que é ver o seu irmão construindo tudo o que você sonhou por conta de mentiras. Agora acabou com a conversa, acabou o tempo! Eu só queria que vocês morressem sabendo de tudo o que aconteceu. Eu só queria que vocês entendessem que eu me tornei o que sou, porque prometi que não deixaria ninguém mais roubar o meu lugar. Eu prometi que não deixaria ninguém me passar para trás novamente. Matar seu pai foi uma das coisas mais dificeis que eu fiz na vida, mas também foi a que mais me deixou aliviado. E se hoje acaba pra mim, acaba para todos vocês também.

EDGAR aponta a arma para VINICIUS e puxa o gatilho. Nesse exato momento, um tiro é disparado. Corta para:

CENA 8 - EXT. / FRENTE DO CENTRO MÉDICO UNIDOS PELA VIDA - NOITE.

DEBORA e MADALENA ficam desesperadas com o disparo. 

DEBORA: Alguém atirou, mãe! Alguém atirou!

MADALENA: Fica calma, por favor!

DEBORA: Eu não estou conseguindo ver nada! Está pegando fogo... - grita - o hospital está pegando fogo!

Neste momento a polícia já está invandindo o prédio. Corta para:

CENA 9 - INT. / CENTRO MÉDICO UNIDOS PELA VIDA/RECEPÇÃO - NOITE.

Por conta do tiro, o fogo começa a pegar. LEONORA aparece com a arma, EDGAR cai no chão. 

LEONORA (grita): Por aqui vocês! Por aqui!

Ela aponta para os fundos, por onde entrou. 

LUÍZA: Mãe...

LEONORA: Vem filha, vem! Vamos Vinicius.

VINICIUS: Como você entrou aqui?

LEONORA: Agora é hora de sair daqui, vamos!

Eles começam a sair, enquanto EDGAR continua no chão ferido no peito. LEONORA vai sair, quando olha para trás e para.

LUÍZA: Vem, mãe! O que você está fazendo?

LEONORA: Vão! Vão! Eu já vou!

LEONORA volta e joga a arma de EDGAR para longe.

EDGAR: O que você está fazendo?

LEONORA: Seu desgraçado! Eu deveria deixar você morrer queimado.

LEONORA tenta levantar ele.

LEONORA: Você precisa me ajudar ou nós dois vamos morrer aqui.

EDGAR tenta ajuda-la, mas está muito fraco. 

EDGAR: Vai embora. Me deixe aqui!

LEONORA: Eu não posso!

LEONORA tenta abrir a porta, mas o fogo já tomou conta. 

EDGAR: Eu não mereço ser salvo Leonora. Você precisa ir!

LEONORA (chora): Eu amo você! O meu pecado sempre foi amar você mais do que a mim mesmo! 

EDGAR: Eu não mereço o seu amor. Nunca mereci! Vai embora!

Edgar começa a tossir sangue e não resisti, LEONORA chora. Corta para:

CENA 10 - EXT. / FRENTE DO CENTRO MÉDICO UNIDOS PELA VIDA - NOITE.

Todos os reféns presente na recepção saem sem ferimentos. DEBORA vê VINICIUS e corre, abraçando-o e sendo retribuida com o mesmo abraço forte.

DEBORA: Eu pensei que você não ia sair ali de dentro.

VINICIUS: Vaso ruim não quebra tão fácil assim, mas... a minha tia continua lá!

Nesse momento, LEONORA aparece já fora do hospital aos prantos. LUÍZA tira os olhos de DEBORA e VINICIUS e vai abraçar a mãe.

LUÍZA: Você precisou fazer isso mãe. Você não teve escolha! Ou ele ou nós!

LEONORA: Eu sei, mas mesmo assim dói!

GABRIEL aparece, mas não se aproxima de LUÍZA.

GABRIEL: Eu sei que não deveria estar aqui, mas...

LEONORA: Foi ele quem me ajudou a entrar no hospital. Se não fosse ele, talvez você não estivesse aqui...

GABRIEL: Eu ia entrar, mas não consegui. Eu faria qualquer coisa para te salvar, você sabe disso!

LUÍZA chorando abraça GABRIEL. 

GABRIEL: Eu sei que essa não é a melhor hora, mas eu te amo de verdade. E eu nunca tinha sentido esse medo antes!

Abraçada em GABRIEL, os olhos de LUÍZA encontram o de VINICIUS, que está abraçado com DEBORA. Os dois sorriem um para o outro, compreendendo o que estava acontecendo naquele momento. Corta para:

CENA 11 - INT. / CASA DOS CARVALHO/SALA DE ESTAR - DIA.

UM ANO DEPOIS


VINICIUS abraça LEONORA, MAURO e LUÍZA.

LUÍZA: Eu espero que você seja muito feliz nessa nova etapa de sua vida.

MAURO: Você sabe que pode contar sempre comigo, né rapaz? Qualquer coisa é só ligar, gritar... eu vou estar à disposição. 

VINICIUS: Muito obrigado, Mauro. Se não fosse você, eu nem sei como teria dado conta desse ano louco que foi. Você sempre esteve ao lado da minha família nos melhores e piores momentos. Você também pode contar sempre comigo.

LEONORA: Não pense que vamos te deixar em paz tão fácil assim, viu? Você é muito amado, meu sobrinho. Você vai em busca de sua felicidade, e pode ter certeza, que estamos muito felizes por você.

VINCIUS abraça LEONORA e se emociona. 

VINICIUS: Eu vou se não vou acabar perdendo o voo. Eu amo vocês!

LUÍZA: Mande notícias!

GABRIEL entra na casa.

GABRIEL: As malas já estão no carro, vamos que eu vou levar você!

GABRIEL beija LUÍZA.

GABRIEL: Já volto!

LUÍZA: Se cuidem!

Os dois entram no carro. Corta para:

CENA 12 - EXT. / AEROPORTO/EMBARQUE - DIA.

GABRIEL e VINICIUS apertam um a mão do outro.

VINICIUS: Agora você é o homem da casa. Eu confio em você para cuidar delas!

GABRIEL: Pode deixar que eu vou cuidar muito bem, e você sabe, a casa sempre será sua. Volte quando quiser. Seja feliz!

VINICIUS: Obrigado!

VINICIUS embarca. Corta para:

CENA 13 - INT. / APARTAMENTO DE TEODORO/SALA DE ESTAR - DIA.

PARIS

DEBORA, TEODORO, MADALENA e FELIPE sentados conversando.

DEBORA: Eu nem acredito que daqui a pouco ele vai estar aqui! Nem acredito que está tudo resolvido, a venda do hospital, as papeladas do divórcio, tudo... estamos livres para viver o nosso amor!

TEODORO: Depois dessa sucessão de clichês, acho que vou me jogar pela janela. 

FELIPE: Isso é inveja patroa.

TEODORO: Tem gente que tem coragem né? 

DEBORA: Você viu a imagem que ele mandou no grupo? Toda a equipe do hospital fez uma festa de despedida para ele. 

FELIPE: Não vi! Estou com o meu celular sem bateria, mas depois dou uma olhada!

DEBORA: Deve ter sido dificil para eles, já que os novos donos devem ter mudado bastante coisa, mas acho que diante das situações, todos entenderam os motivos para ele estar abrindo mão do hospital.

TEODORO: E se não entendessem? Quem tem que se preocupar com o que vai ou não ser bom para ele, é ele mesmo. Eu hein!

DEBORA: Você me dá nos nervos, Teodoro. Vou me arrumar para busca-lo no aeroporto. Quem vai comigo? 

TEODORO: Ninguém né? Você precisa estar sozinha para buscar o boy, não com a mãe, o amigo, o motorista. 

DEBORA: Está de TPM, fofo? Cê para com a palhaçada!

TEODORO: Não, é só que agora vou ter que te dividir com mais um.

MADALENA: Você não entendeu que é ciúmes filha?

DEBORA abraça TEODORO e sorri.

DEBORA: Você é e sempre vai ser único na minha vida.

TEODORO (emocionado): Vai lá pegar o boy, vai! Não vai querer que ele fique esperando né? 

DEBORA enche TEODORO de beijos.

DEBORA: Te amo!

TEODORO: Te amo!

DEBORA vai se arrumar. Corta para: 

CENA 14 - INT. / APARTAMENTO DE TEODORO/QUARTO - DIA.

TEODORO deitado na cama, pega seu celular. Entra em um grupo e olha a foto que VINICIUS mandou da festa de despedida. Ele coloca o zoom em MAURO. Corta para:

FLASHBACK - CAPÍTULO 11 - CENA 2 - CASA DE TEODORO - DIA (ADAPTADO)

TEODORO vai abrir a porta e dá de cara com MAURO.

TEODORO: Já voltou meu amor? Esqueceu alguma coisa?

MAURO olha para trás e percebe que não há nenhum movimento na rua. MAURO atinge TEODORO na cabeça e o mesmo cai no chão.

TEODORO (tonto): O que você está fazendo?

Ele é tingido mais uma vez na cabeça por MAURO. 

FIM DO FLASHBACK

TEODORO fica em choque olhando para a foto e lembrando. Ele levanta da cama abalado e vai até a sala. 

TEODORO: Cadê a Debora?

MADALENA: Elá já foi!

FELIPE: Aconteceu alguma coisa? Parece que viu um fantasma!

TEODORO acaba desmaiando, MADALENA e FELIPE correm para socorre-lo. 

MADALENA (preocupada): Pega uma água para ele, corre. 

FELIPE vai pegar uma água. Corta para:

CENA 15 - EXT. / AEROPORTO/DESEMBARQUE - DIA.

DEBORA está esperando VINICIUS e não esconde a ansiedade. O voo dele é anunciado. Alguns minutos se passam e ele aparece de longe, ela abre um sorriso, a música "Varrendo a Lua - Roberta Campos" começa a tocar. Ele chega perto dela e os dois se olham profundamente. Tudo começa a girar e os dois se beijam apaixonados. Corta para:

CENA 16 - INT. / SHOPPING/PRAÇA DE ALIMENTAÇÃO - DIA.

Brasil

DOUTOR MAURO sentado em uma das mesas mexendo no celular. Ele troca mensagens com alguém em um aplicativo de encontros. Um garoto de 19 anos mais ou menos se aproxima dele e ele olha para trás.

MAURO: Caio?

CAIO: Marcelo?

MAURO: Eu mesmo. Sente-se!

CAIO se senta e MAURO sorri para ele maliciosamente. Corta para:

FIM

Obrigado mais uma vez aos que acompanharam minha história. Eu amo escrever, criar e me aventurar na vida de tanta gente diferente. Uma trama como essa, eu jamais tinha criado antes. Foi a minha primeira trama em que o romance ficou em segundo plano. Foi uma experiência boa, e eu espero que tenham gostado! Até ano que vem 💓

2 comentários :

  1. Adorei o final dessa história. Edgar foi um pouco humanizado pelo menos com essa revelação sobre o irmão dele. E o doutor Mauro, hein! Tomara que quando o Teodoro acorde do desmaio o denuncie. Parabéns por mais uma história maravilhosa. Sempre te acompanho. Melhor blog sobre TV.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eita, que alegria ler isso! Muuuuuito obrigado por ler meus textos e embarcar nas minhas histórias. E você precisa voltar a escrever logo, viu? O Comenta está aberto para você.

      Excluir

Copyright © Portal Comenta TV. Designed by OddThemes & SEO Wordpress Themes 2018